quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Casal


"Talvez eles não soubessem, mas já eram um casal desde o primeiro olhar."

Amanda Honorato

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Mulheres - abstrações


Como é mesmo aquela estória? As mulheres só não dominam o mundo por que estão escolhendo uma roupa adequada?
Enfim, ouvi esta frase (bem machista) num dia desses e achei o máximo - uma frase criativa que só poderia ter saído da boca de um homem, óbvio. 
De uma maneira geral, parece-me que elas são assim mesmo, salvo raras excessões. Não são tão coopertativas quanto os homens. 
A Sophia Loren está impagável com esse olhar quase 'maternal' para não dizer outra coisa para a Jane Mansfield.
Les femmes. Freud explica.

"Faça como a Angelina Jolie, mostre sua perna direita para o mundo"


#euri. É impressionante como tudo se torna meme na internet.

As ervas daninhas


Comentando sobre as ervas daninhas que tomavam conta de um gramado, meu cunhado me conta que contratou um sujeito para fazer o serviço de jardinagem em sua chácara. Combinou o preço e quando falou a palavra mágica “enxada”, derrubou o disjuntor do rapaz.

- Enxada? Não. Não pego em enxada!

Como assim? E vai arrancar as ervas daninhas de que jeito?

- Passo a máquina e pronto! Não pego em enxada...

Com a máquina ele apararia a grama e as ervas daninhas, que cresceriam rapidamente, pois não foram arrancadas pela raiz naquele trabalho manual que exige paciência. Meu cunhado dispensou os serviços do sujeito.

Essa história me lembra que em 2002 meu avô e minha avó, seu Duarte e dona Dora, sobre os quais já escrevi anteriormente, comemoraram suas “bodas de brilhante”: 75 anos de casados. Setenta e cinco anos! Quando eles se casaram, em 1927, meu avô tinha 24 anos e minha avó 17. Moravam em Bauru, uma cidadezinha minúscula, distante astronômicos 300 quilômetros da capital, São Paulo. Ele faleceu, aos 102 anos de idade, deixando uma família numerosa e uma reputação que muito me orgulha. Seu Duarte fez de tudo na vida, de padeiro a dono de madeireira, inclusive Presidente da Beneficência Portuguesa de Bauru, um dos mais prestigiados hospitais da cidade, que ele ajudou a construir e manter. Meu avô não ficou rico, mas juntou o suficiente para educar quatro filhos, ajudar na educação de netos e bisnetos, cobrir as despesas da velhice e deixar um bom patrimônio para a família. Detalhe: ele veio de Portugal para o Brasil em 1915, com 12 anos de idade, acompanhando um primo um pouquinho mais velho. Chegou com uma mão na frente e outra atrás para se hospedar na casa de amigos e tentar uma vida melhor que aquela que a região rural de Portugal poderia proporcionar. Ah, e como pegou na enxada...

Observar hoje a trajetória de vida do Seu Duarte equivale a ler um texto sobre ficção científica, daqueles que contam uma aventura de seres de outro planeta. Como assim, sair do nada, com 12 anos de idade, para construir um patrimônio só com a força de seu trabalho? Isso existe?

Existia, e acho que ainda existe. Mas não faz mais parte do repertório.

Parece que a perspectiva de construir as coisas com um tijolinho de cada vez, dando tempo ao tempo, pacientemente, foi atropelada pela sociedade apressada. A tecnologia nos ajuda a imaginar que temos que dar certo hoje. Quero meu cargo de chefia hoje, meu salário bom hoje, meu carro novo hoje, meu apartamento hoje. Tenho pressa! E pra fazer com pressa, não dá tempo de planejar ou refletir muito. Ou você é um visionário ou tem um lance de sorte ou usa qualquer caminho. Inclusive aqueles impróprios...

Combinar pressa com reflexão filosófica, com valores morais, com paciência e com persistência é muito complicado, especialmente quando o seu vizinho ali ao lado parece progredir mais rápido que você.

Não se fazem mais “seus Duartes” como antigamente. Não se imagina um casamento de 75 anos. Não se pega mais na enxada. Temos pressa.

Por isso a erva daninha cresce.

Luciano Pires

Fonte: Site Café Brasil

Café


Jesus só salva Cristão, café salva todo mundo.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Atitude é tudo!



Por Gustavo Rocha

Dia desses, me peguei revisando a minha caixa de e-mails, relendo tudo o que um dia foi novidade, e mereceu ser guardado numa pastinha em reservado para reflexões futuras.
Reler um texto em especial, me fez relembrar os tempos de faculdade de direito, quando o professor de direito civil I dizia: “não sejamos polianas”, fazendo referência à personagem principal dos livros de Eleanor H. Porter, Pollyanna, a menina que jogava o “jogo do contente”, de forma a perceber sempre o lado bom das coisas.
Sempre procurei um motivo para discordar desse professor, que usava o termo “não sejamos polianas” com o significado “não sejamos ingênuos”. Mas primeiro, divido com vocês o texto a que me refiro:
“Luis é o tipo de cara que você gostaria de conhecer".
"Ele estava sempre de bom humor e sempre tinha algo de positivo para dizer". Se alguém lhe perguntasse como ele estava, a resposta seria logo:
"Ah... Se melhorar vira festa”!
Ele era um gerente especial em um restaurante, pois seus garçons o seguiam de restaurante em restaurante apenas pelas suas atitudes. Ele era um motivador nato. Se um colaborador estava tendo um dia ruim, Luis estava sempre dizendo como ver o lado positivo da situação.
Fiquei tão curioso com seu estilo de vida que um dia lhe perguntei: "Você não pode ser uma pessoa positiva todo o tempo. Como faz isso"?
Ele me respondeu: "A cada manhã, ao acordar, digo para mim mesmo":
"Luis, você tem duas escolhas hoje: Pode ficar de bom humor ou de mau humor. Eu escolho ficar de bom humor".
Cada vez que algo ruim acontece, posso escolher bancar a vítima ou aprender alguma coisa com o ocorrido. Eu escolho aprender algo.
Toda vez que alguém reclamar, eu posso escolher aceitar a reclamação ou mostrar o lado positivo da vida. Certo, mas não é fácil - argumentei. É fácil sim, disse-me Luis. A vida é feita de escolhas. Quando você examina a fundo, toda situação sempre oferece escolha.
Você escolhe como reagir às situações.
Você escolhe como as pessoas afetarão o seu humor. É sua a escolha de como viver sua vida.
Eu pensei sobre o que o Luis disse e sempre lembrava dele quando fazia uma escolha.
Anos mais tarde, soube que Luis um dia cometera um erro, deixando a porta de serviço aberta pela manhã.
Foi rendido por assaltantes.
Dominado, e enquanto tentava abrir o cofre, sua mão tremendo pelo nervosismo, desfez a combinação do segredo.
Os ladrões entraram em pânico e atiraram nele.
Por sorte foi encontrado a tempo de ser socorrido e levado para um hospital...
Depois de 18 horas de cirurgia e semanas de tratamento intensivo, teve alta ainda com fragmentos de balas alojadas em seu corpo.
Encontrei Luis mais ou menos por acaso.
Quando lhe perguntei como estava, respondeu: "Se melhorar, vira festa”!
Contou-me o que havia acontecido perguntando: "Quer ver minhas cicatrizes"?
Recusei ver seus ferimentos, mas perguntei-lhe o que havia passado em sua mente na ocasião do assalto. A primeira coisa que pensei foi que deveria ter trancado a porta de trás, respondeu. Então, deitado no chão, ensanguentado, lembrei que tinha duas escolhas: "Poderia viver ou morrer". "Escolhi viver"!
Você não estava com medo? Perguntei.
"Os paramédicos foram ótimos, eles me diziam que tudo ia dar certo e que eu ia ficar bom, mas quando entrei na sala de emergência e vi a expressão dos médicos e enfermeiras fiquei apavorado".
Em seus lábios eu lia: "Esse aí já era". Decidi então que tinha que fazer algo.
O que fez? Perguntei.
Bem... Havia uma enfermeira que fazia muitas perguntas. Perguntou-me se eu era alérgico a alguma coisa.
Eu respondi: "sim". Todos pararam para ouvir a minha resposta. Tomei fôlego e gritei; "Sou alérgico a balas"!
Entre risadas lhes disse:
"Eu estou escolhendo viver, operem-me como um ser vivo, não como um morto".
Luis sobreviveu graças à persistência dos médicos, mas sua atitude é que os fez agir dessa maneira.
E com isso, aprendi que todos os dias, não importa como eles sejam, temos sempre a opção de viver plenamente, afinal de contas, "ATITUDE É TUDO"”.
O meu “discordar” com o professor vinha do fato de que acredito que temos, assim como o Luis do texto acima, a oportunidade de escolher como encararemos a vida, inclusive a vida profissional: temos a oportunidade de nos negarmos a ser “polianas” e enxergar a realidade nua e crua, exatamente como se descortina diante dos nossos olhos, ou vislumbrarmos no “polianismo” uma forma de buscar uma motivação interior, que como o próprio termo já diz, se trata de descobrir um motivo interno para se tornar um agente transformador da sua realidade.
Observo que, muitas vezes, temos muita facilidade em falar: ah, estou desmotivado (a), há muito tempo não ganho um aumento, não me sinto parte da empresa onde trabalho, meu superior não valoriza o meu trabalho e “blá-blá-blá whiskas sachê”.
Esse tipo de atitude tem “efeito avalanche”: tu acabas te sentindo mal, profissionalmente, e acaba contagiando quem está perto de ti, além de gerar nas pessoas à tua volta uma imagem negativa a teu respeito.
Obviamente nem todos os dias são perfeitos, nem sempre o trabalho é bom, ou o chefe está com ótimo humor e a empresa, andando a passos largos. Mas perceber tudo a sua volta com um olhar pessimista também não fará a diferença.
Permita-se viver o “Dia P” (ser “Pollyanna”, a do livro, por um dia), como uma experiência para sentir o alcance de suas atitudes positivas. Mas não se esforce muito: alguns “bom dia” aos colegas de trabalho e mais uns “muito obrigada” aos encarregados da limpeza, office-boys, secretárias, colegas e superiores, seguidos de um sorriso sincero serão o suficiente para te fazer sentir melhor com relação ao trabalho e também farão bem aos que te rodeiam. O ambiente de trabalho será transformado: pronto, você passou de agente passivo (e chato, diga-se de passagem) para agente transformador do seu meio.
Muitas vezes um bom ambiente de trabalho, provocado por um dos membros da equipe (nesses, incluo também os gestores), é o suficiente para despertar a motivação nos colaboradores como um todo.
E se, mesmo assim, isso não for suficiente para te enxergar a tua vida profissional com outros olhos, busque outro emprego, afinal de contas, todo mundo merece ser feliz! 

Fonte: Konvênios

Frase


"Na parede de um botequim de Madri, um cartaz avisa: Proibido cantar. Na parede do aeroporto do Rio de Janeiro, um aviso informa: É proibido brincar com os carrinhos porta-bagagem. Ou seja: Ainda existe gente que canta, ainda existe gente que brinca."

Eduardo Galeano

Tirinha


Heheheh! Cada um no seu estilo não é? 
Eu particularmente adoro ver tantas diferenças no cotidiano e principalmente com a utilização do humor.

Fonte: o mundo maravilhoso de Adão Iturrusgarai

Sociedade hipócrita


A tirinha saiu ilegível. Que pena...

Ah... a beleza do feminino...


Quem tem medo da Aracy?

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Ser saudável em excesso pode fazer mal


Há alguns dias, uma amiga muito querida me contou que o pai dela acredita que vicky vaporub é a maior invenção da medicina e a cura/prevenção de todos os males e surpresas desagradáveis que o organismo pode proporcionar: De furúnculo inflamado a crise de asma, passando por picada de inseto. Desde criança, ele tem um ritual noturno: aplica um pouquinho da milagrosa pomada em cada narina antes de dormir. E recarrega as energias tranquilo pq está livre de todo o mal e intempéries do corpo humano. Essa história também me fez lembrar do  pai da moça do Casamento Grego, que tinha uma relação parecida (e um pouco mais preocupante) com o produto de limpar vidro.

Não pude deixar de pensar em como seria bom ter uma solução simples para qualquer problema de saúde. Ou mesmo para a promoção dela. Talvez eu e meus colegas até deixássemos de ser necessários. A prescrição seria sempre a mesma. Entretanto, ainda não consigo pensar em nada, relacionado a saúde, ou até mesmo a qualquer segmento de uma vida, que SÓ traga benefícios. Até mesmo viver de forma saudável. Se você for ouvir e seguir as recomendações de cada especialidade médica, será necessário comer direito (e, consequentemente, arrumar tempo para aprender a cozinhar direito), passar protetor solar a cada quatro horas, se livrar do reservatório de germes que são os celulares e o transporte público, comer tomate todo dia, meditar, dormir mais que 8 horas por dia (e tirar sonecas no trabalho), aprender a lavar as mãos por 90 segundos, evitar cumprimentar pessoas com aperto de mão, fazer exercício físico... Chega. Posso passar a noite aqui, digitando, porque a lista é infindável.

Um maluco até já fez essa experiência (até contou no TED) e mostrou que vai funcionar maravilhosamente bem: seu colesterol vai diminuir, você vai usar jeans de tamanho menor que o atual, vai ter menos gripes, sua pele vai ficar ótima e você vai se sentir mais disposta. Tudo bem bacana. Pena que não vai sobrar tempo para usufruir disso. Afinal, é necessário tanta concentração e disponibilidade para seguir todas essas normas, que é bem provável que você acabe por negligenciar sua família e seus amigos. E, como alguns estudos já demonstraram, ter relações sólidas com essas pessoas é essencial para a manutenção da saúde. É... até ser saudável em excesso pode fazer mal e te tornar uma louca digna de fazer parte das galerias do ótimo Women Laughing Alone With Salad.Antes que alguém me bata ou o CRM casse meu registro, quero deixar claro que, de forma alguma, estou incentivando a vida desenfreada, sedentarismo e todos os outros hábitos e comportamentos sabidamente prejudiciais. Apenas quero pontuar que, por mais que a cada semana a mídia nos bombardeie com o suco de acerola ou a taça de vinho tinto da vez não há receita milagrosa que funcione para todo mundo. Nada é incontestável e irrefutável na saúde. Não existe preto e branco. Há toda uma miríade de tons de cinza. E que o desafio está justamente em você, juntamente com seu(s) médico(s) descobrir aquele que combina mais com sua pele ou faz seus olhos brilharem mais.

Fonte: Revista TPM

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Frase


"Amor é quando é concedido participar um pouco mais."

(C. Lispector)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Mais um texto da Martha Medeiros

(que eu acho extremamente sensível e profunda, às vezes)
Homens: leiam com atenção e aprendam de uma vez por todas que 'boniteza não põe mesa', rsrsrs! 


"Peça para um homem descrever um mulherão. Ele imediatamente vai falar no tamanho dos seios, na medida da cintura, no volume dos lábios, nas pernas, bumbum e cor dos olhos.
Ou vai dizer que mulher tem que ser loira, 1m80, siliconada, sorriso colgate…
Mulherões, dentro deste conceito, não existem muitas: Vera Fischer, Malu Mader, Leticia Spiller, Adriane Galisteu, Lumas e Brunas…
Agora pergunte a uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma
em cada esquina…
Mulherão é aquela que pega dois ônibus para ir ao trabalho e mais dois para voltar, e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome.
Mulherão é aquela que vai de madrugada à fila garantir a matrícula na escola do filho , é aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco para buscar uma pensão de 100 reais.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana.
Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.
Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta, que malha, que usa salto alto, meia-calça, ajeita o cabelo e se perfuma, mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.
Mulherão é quem leva os filhos à escola, busca os filhos da escola, leva os filhos à natação, busca os filhos da natação, leva os filhos para a cama, conta-lhes estórias, dá-lhes um beijo e apaga a luz.
Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, e que de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite…
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo, é quem faz serviços voluntários, é quem colhe uva, é quem opera pacientes, é quem lava roupa para fora, é quem bota a mesa, cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás dum balcão.
Mulherão é quem cria filha sozinha, quem dá expediente de oito horas e enfrenta menopausa, TPM, menstruação.
Mulherão é aquela que, em casa, sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio pra tosse.
Lumas, Brunas, Carlas, Luanas e Sheilas: mulheres notas 10 no quesito lindas de morrer, pode ser… Mas mulherão mesmo é aquela que mate um leão todos os dias."

(Marta Medeiros)
Valeu JP querido por ter compartilhado.

Coveiro e lixeiro, os nobres



"Enquanto eu e minha mulher aguardávamos o “buzão” que nos levaria ao trabalho, no Centro de Vitória, nasceu a idéia deste texto, como uma homenagem, pela segunda vez, aos coveiros e coletores de lixo, nobres profissionais, indispensáveis à vida de todos nós.

Temos o maior respeito , consideração e reverência por esses profissionais, por cujas mãos têm passado todas as classes de pessoas – do mais humilde cidadão ao presidente da República , quando baixam à sepultura – e o lixo nosso de cada dia.

Não sabemos quantos têm observado o modo circunspecto e nobre de um coveiro quando cuida do sepultamento de um corpo, sendo ele de um simples operário ou de um presidente da República, motivando silêncio absoluto dos que acompanham a derradeira homenagem ao morto. No caso do coletor de lixo, indiferente ao tremendo mal cheiro com que convive no seu dia a dia, consegue cantarolar, rir e gritar palavras de ordem cheias de entusiasmo. Ambos, apesar de receberem minguados salários, cumprem, com demonstrações de otimismo e respeito, os deveres a que estão obrigados.

O que seria de todos nós não fossem a presença e a ação dos coveiros e dos coletores de lixo que nos servem com tanta dignidade?! Com certeza ninguém suportaria viver em uma comunidade com corpos insepultos e lixos espalhados por todos os lados. Às vezes, no entanto, tratamos esses profissionais com desdém e até com repugnância, como se não fôssemos totalmente dependentes deles, trabalhadores de enorme importância para o nosso dia a dia. Imaginemos coveiros e lixeiros entrando em greve ao mesmo tempo, o que seria de todos nós? Aí, sim, é que a cidade viraria um verdadeiro pandemônio.

Insistimos, como em nosso artigo anterior, que os coveiros e coletores de lixo deveriam ser mais bem-pagos, valorizados, respeitados e homenageados em praça pública pelos extraordinários serviços que prestam a todos nós. No caso dos primeiros, os cemitérios deveriam receber nomes de coveiros falecidos; quanto aos coletores de lixo, os nomes dos falecidos deveriam ser colocados em avenidas, praças e ruas, de acordo com os bairros em que trabalharam. Tais homenagens deveriam ser antecedidas de carinho, respeito e reverência quando ainda estejam vivos.

Sempre que os vereadores querem agradar famílias de pessoas importantes, falecidas, cuidam logo de apresentar projetos destinados a nominar avenidas, praças e ruas com nomes dos mortos. Por que não fazem isso com os coveiros e coletores de lixo?"

Alencar Garcia de Freitas é jornalista. 


Fonte: Artigos e notícias

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Adolfo perdeu um molar


Coitadinho, não tem como não rir.

(Clique na imagem)

Fonte: O mundo maravilhoso de Adão Iturrusgarai

Textos interessantes...


assuntos interessantes, pessoas livres...

Alguém?

Depois de tanta alegria a gente fica assim, sedenta de algo mais.

Ruivinho, amor de mi vida, te espero ansiosamente pra gente 'carnavalizar' também.


Resumo do fim de semana

 S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L.


sábado, 11 de fevereiro de 2012

Gentee... chocante


"Comunismo é como caxumba - ou dá na adolescência ou provoca esterilidade." (Janer Cristaldo)

Em tempos de abertura de mentes (que estão fechadas ou que se julgam abertas) considero a frase bem preconceituosa. Seria melhor convidar essas pessoas a passarem uns anos em Cuba, ora!


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Para refletir



"Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada. Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável. Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos. (...) Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto. Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém".

John Lennon

Fim de semana


SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA sextasabadodomingo 

Ahhh.... passa muito rapidinho... Mesmo assim, desejo que todos nós tenhamos um bom 'finde'.

PS: E eu duvido qua vida saudável não vá tomar um chopp logo mais. 

Se joga!!

Dilma: decisão sobre Lei Maria da Penha fortalece luta contra violência

Laryssa Borges

A presidente Dilma Rousseff comemorou nesta sexta-feira a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que agressores possam ser processados por lesão de qualquer gravidade pela Lei Maria da Penha mesmo sem queixa da vítima. Antes, a representação da vítima era fundamental para o início do processo.
"Hoje estamos trocando o comando da Secretaria de Política para as Mulheres em um momento muito especial para todas as mulheres brasileiras, que é o fato de o STF ter uma decisão em relação à Lei Maria da Penha que fortalece a luta contra a violência contra as mulheres e elimina as controvérsias. Ontem, tenho certeza que todas nós, mulheres e homens brasileiros, demos um passo na construção de uma sociedade em que, de fato, a luta contra a violência e a discriminação avançou", disse a presidente ao dar posse à nova ministra-chefe da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci. Ela substitui a petista Iriny Lopes, que deixa o governo para disputar a prefeitura de Vitória (ES).
"Podemos enfatizar o grande avanço que foi para o Brasil a Lei Maria da Penha e a importância também para todas as mulheres e homens e, sobretudo, para as famílias, para que haja uma clara lei que considera crime uma violência contra a mulher dentro de suas casas e fora dela", completou Dilma.
"Ontem, a vitória no STF representou um marco histórico na vida das mulheres brasileiras e tenho uma emoção triplicada. A Lei Maria da Penha representa um avanço significativo em relação ao direito das mulheres no mundo por tornar crime todo ato de violência física, moral, sexual nas esferas das relações domésticas e familiares", disse a nova ministra da Secretaria de Política para as Mulheres.
Conforme a decisão do STF, as mulheres também não poderão retirar a queixa em casos de agressão física. O único divergente foi o presidente da Corte, ministro Cezar Peluso. Os demais ministros seguiram o voto do relator, Marco Aurélio Mello, que alegou que em muitos casos a mulher volta atrás na denúncia, frente a pressões do agressor.
"Dados estatísticos demonstram que o índice de renúncia chega a alcançar 90% dos casos. E deve-se ao fato de (a vítima) vislumbrar uma possibilidade de evolução do agente (agressor), quando na verdade o que acontece é a reiteração de procedimento, e pior, de forma mais agressiva ainda em razão da perda dos freios inibitórios e da visão míope de que havendo o recuo na agressão pretérita o mesmo ocorrerá no subsequente", argumentou o relator nesta quinta.
O assunto foi levado ao STF pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que defende que o Ministério Público possa registrar a queixa contra o agressor e que se abra o processo sem a iniciativa da agredida. 


Fonte: site Terra

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Abstrações

O melhor de tudo é participar de redes socias diferentes e publicar um conteúdo único em cada uma delas. Deve ser coisa do signo, de gente que detesta a rotina.
Amo ser múltipla e ao mesmo tempo ter uma consiência única de quem sou.

É...

Tem muita gente cansada do Jornal Nacional também...

Dostoiévski


"O sofrimento acompanha sempre uma inteligência elevada e um coração profundo. Os homens verdadeiramente grandes devem, parece-me, experimentar uma grande tristeza." 
Dostoiévski 

Será por isso que todo grande artista me parece meio melancólico e perdido num mundo particular?

Imagem: H. Matisse / Google

"Se arrependimento matasse"

Temos que reconhecer: os políticos possuem o dom da retórica. Quando usada para o bem, vá lá mas quando é usada para o mal... Antes de consertarem os eleitores é preciso consertar a cabeça dos que querem apenas manter o próprio interesse.
Bom... continuo achando que a Política já se perdeu há muito tempo, no verdadeiro sentido. Me incluam fora dessa, please.

"De maneira alguma ataquei os companheiros evangélicos. Quem conhece a minha trajetória, sabe do carinho que eu tenho, do reconhecimento que eu tenho ao trabalho das igrejas evangélicas no país. O que eu fiz lá foi uma constatação política que, de fato, quem tem presença na periferia do Brasil, quem fala para as classes sobretudo C, D e E são as igrejas evangélicas e, portanto, essa presença tem que ser reconhecida, é real e efetiva".

Gilberto Carvalho, secretário da Presidência e "safado" segundo o senador Magno Malta(PR) querendo deixar o dito pelo não dito.

Fonte: Coroneleaks

Frase


"Mulheres tem duas grandes armas: lágrimas e maquiagem."
Napoleão Bonaparte

Sinceramente eu prefiro a segunda.

Imagem: Tarsila do Amaral / Google

Controle do Estresse




Preste atenção ao desânimo pós férias

Mariana Teodoro 

Existe algo melhor do que alguns dias de descanso quando o corpo e a mente estão esgotados? Mas, como tudo que é bom dura pouco, as férias também acabam. E é aí que surge o problema: segundo pesquisa do International Stress Management (Isma), 23% dos profissionais brasileiros sofrem com a chamada depressão pós-férias.
Caracterizado pela falta de motivação, fadiga, angústia e ansiedade, esse mal estar não pode ser confundido com aquela frustração comum do fim das férias, nem também com a depressão, que é um transtorno de humor. Segundo a psicoterapeuta Kátia Beal, por trás do desânimo típico da depressão pós-férias há uma motivação mais grave. “Na maioria das vezes, isso acontece porque as pessoas estão insatisfeitas com o trabalho. Quando não estamos felizes com nossa ocupação tendemos a ver as coisas sempre de maneira negativa. Assim, o retorno ao trabalho fica mais complicado.”, diz.
Porém, sabemos que na vida real não é sempre possível fazer o que se gosta. Por isso, se está difícil encontrar o trabalho dos sonhos, algumas dicas podem te ajudar a combater a depressão pós-férias. Antes de mais nada, transforme a sua rotina em algo mais prazeroso. “A pessoa deve procurar fazer uma atividade que proporcione um aumento na sua autoestima. Uma opção é escolher um hobby ou um trabalho voluntário que dê um sentido maior para a vida”, afirma Kátia.
Outra sugestão para minimizar os sintomas pós-férias é retomar os hábitos da rotina três dias antes de voltar ao trabalho. “Durante as férias, não temos horário para nada. Então, uma boa estratégia é voltar de viagem, antes, dormir e acordar mais cedo para se acostumar novamente.”
A especialista ainda observa que nesse momento é importante fazer uma análise da sua vida. Identificar o que te faz feliz, conversar com seus superiores, pedir feedbacks e avaliar o seu rendimento na empresa são algumas iniciativas recomendadas. “Muitas vezes distorcemos os fatos, colocamos muitas dificuldades e não conseguimos enxergar alternativas para os nossos problemas. Por isso, a chave é mudar esses pensamentos e tomar atitudes.”
Mas, para Kátia, uma coisa é certa: acima de qualquer salário está a satisfação do que se faz. “Quando se ama o que faz, o salário pode não ser tão polpudo quanto se esperava, mas fazemos render muito se estamos felizes, fazendo o que amamos e nos sentindo realizados”, finaliza.

Fonte: Uol

Embriaguei-vos!


"É necessário estar sempre bêbado. Tudo se reduz a isso; eis o único problema. Para não sentirdes o fardo horrível do Tempo, que vos abate e voz faz pender para a terra, é preciso que vos embriagueis sem cessar.

Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, como achardes melhor. Contanto que vos embriagueis.

E, se algumas vezes, nos degraus de um palácio, na verde relva de um fosso, na desolada solidão do vosso quarto, despertardes, com a embriaguez já atenuada ou desaparecida, perguntai ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai-lhes que horas são; e o vento, e a vaga, e a estrela, e o pássaro, e o relógio, hão de vos responder:

- É a hora da embriaguez! Para não serdes os martirizados escravos do Tempo, embriagai-vos; embriagai-vos sem tréguas! De vinho, de poesia ou de virtude, como achardes melhor."

Charles Baudelaire

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Internet, a maquina de expôr vidas

Eu ri. Não é o tipo de postagem de que gosto muito mas esse twitter tem umas coisas que precisamos registrar - pra acreditar que é verdade.


"Só eu que achei que era uma menina até metade do texto!?
Ainda bem que você vai pras olimpíadas de Matemática, e não de português hein amigão."

Fonte: não salvo

Um dos meus preferidos - G. Marquez


"É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão.
importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver."

Gabriel García Marquez

Millôr


"Depois de bem ajustado o preço, a gente deve sempre trabalhar por amor à arte."
Millôr Fernandes

Revolucionários de shopping center, uni-vos!!


Nada contra os revolucionários até porque hipocrisia existe em qualquer lugar mas por favor, não venham fazer pequenas revoluções perto de mim. O que eu penso sobre política só diz respeito a mim e eu não suporto fanatismo - nem político, nem religioso nem ecochatos, nem, nem...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Cordel bem encantado na minha opinião

 Autor: Antonio
Barreto, Cordelista
natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.

Curtir o Pedro Bial

E sentir tanta alegria

É sinal de que você

O mau-gosto aprecia

Dá valor ao que é banal

É preguiçoso mental

E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo

Um programa tão 'fuleiro'

Produzido pela Globo

Visando Ibope e dinheiro

Que além de alienar

Vai por certo atrofiar

A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro

Que está em formação

E precisa evoluir

Através da Educação

Mas se torna um refém

Iletrado, 'zé-ninguém'

Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão

Longe da realidade

Onde a bobagem fervilha

Não sabendo essa gente

Desprovida e inocente

Desta enorme 'armadilha'.

Cuidado, Pedro Bial,

Chega de esculhambação

Respeite o trabalhador

Dessa sofrida Nação

Deixe de chamar de heróis

Essas girls e esses boys

Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,

Querido Pedro Bial,

São verdadeiros heróis

E merecem nosso aval

Pois tiveram que lutar

Pra manter e te educar

Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal

Com seu discurso vazio.

Pessoas inteligentes

Se enchem de calafrio

Porque quando você fala

A sua palavra é bala

A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil

Carente de educação

Precisa de gente grande

Para dar boa lição

Mas você na rede Globo

Faz esse papel de bobo

Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal,

Nosso povo brasileiro

Que acorda de madrugada

E trabalha o dia inteiro

Dá muito duro, anda rouco

Paga impostos, ganha pouco:

Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade

Neste momento atual

Se preocupa com a crise

Econômica e social

Você precisa entender

Que queremos aprender

Algo sério - não banal.

Esse programa da Globo

Vem nos mostrar sem engano

Que tudo que ali ocorre

Parece um zoológico humano

Onde impera a esperteza

A malandragem, a baixeza:

Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência

Não são mais valorizadas.

Os "heróis" protagonizam

Um mundo de palhaçadas

Sem critério e sem ética

Em que vaidade e estética

São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética

Nem projeto educativo.

Um mar de vulgaridade

Já tornou-se imperativo.

O que se vê realmente

É um programa deprimente

Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo,

"professor" Pedro Bial.

O que vocês tão querendo

É injetar o banal

Deseducando o Brasil

Nesse Big Brother vil

De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço

Mal exemplo à juventude

Que precisa de esperança

Educação e atitude

Porém a mediocridade

Unida à banalidade

Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento

De pessoas confinadas

Num espaço luxuoso

Curtindo todas baladas:

Corpos "belos" na piscina

A gastar adrenalina:

Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo

É de nos "emburrecer"

Deixando o povo demente

Refém do seu poder:

Pois saiba que a exceção

(Amantes da educação)

Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial,

Um mercador da ilusão

Junto à poderosa Globo

Que conduz nossa Nação

Eu lhe peço esse favor:

Reflita no seu labor

E escute seu coração.

E vocês, caros irmãos,

Que estão nessa cegueira

Não façam mais ligações

Apoiando essa besteira.

Não deem sua grana à Globo

Isso é papel de bobo:

Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim

Desse Big Brother vil

Que em nada contribui

Para o povo varonil

Ninguém vai sentir saudade:

Quem lucra é a sociedade

Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor

Que nós somos os culpados

Porque sai do nosso bolso

Esses milhões desejados

Que são ligações diárias

Bastante desnecessárias

Pra esses desocupados.

A loja do BBB

Vendendo só porcaria

Enganando muita gente

Que logo se contagia

Com tanta futilidade

Um mar de vulgaridade

Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade

E apelo sexual.

Não somos só futebol,

baixaria e carnaval.

Queremos Educação

E também evolução

No mundo espiritual.

Cadê a cidadania

Dos nossos educadores

Dos alunos, dos políticos

Poetas, trabalhadores?

Seremos sempre enganados

e vamos ficar calados

diante de enganadores?

Barreto termina assim

Alertando ao Bial:

Reveja logo esse equívoco

Reaja à força do mal.

Eleve o seu coração

Tomando uma decisão

Ou então: siga, animal.

FIM
 Via Facebook

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Ah, como eu admiro...



"Eu quero que você vá pra bem longe
pra Sumatra ou Jacarta

Eu quero que você vá pra Ohio

Eu quero que você vá pra o raio

que a parta"

Zeca Baleiro 

Como não estou em meu computador por hora não postarei nenhuma imagem.
Depois ela virá.

Engorda

Fonte: Menina não pode

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Australiana defensora dos partos domiciliares morre após dar à luz em casa

Seria um modo interessante de ver as coisas mas, se até ganhar bebê em hospital pode trazer riscos... Acho maravilhoso o trabalho das doulas mas prefiro segurança. Continuo optando pelo conforto e e pela presença do marido e de um médico da inteira confiança da parturiente.




  "A australiana Caroline Lovell, de 36 anos, grande defensora dos partos domiciliares, morreu após dar à luz em casa sua segunda filha, Zahra, segundo o jornal britânico Daily Mail. Ela teve uma parada cardíaca no último dia 23, em Melbourne. Levada ao hospital, ela não resistiu. O bebê sobreviveu.

Caroline tinha planejado um parto acompanhado por uma parteira, mas complicações ainda desconhecidas causaram a parada cardíaca.

Em 2009, Caroline declarou que as parteiras precisavam de mais proteção legal, como em outros países. Ela escreveu uma nota na qual dizia estar chocada porque partos em casa não poderiam mais ser uma escolha da mulher e que ela não teria escolha a não ser ter um parto sem assistência, já que ela queria dar à luz em casa.

Uma associação de parteiras declarou que o acontecimento é muito raro e que provavelmente uma hemorragia severa causou a morte da paciente.

Beverley Lawrence Beech, chairman da Association for Improvements in the Maternity Services, no Reino Unido, declarou que o acontecimento, embora triste, é extremamente raro e que as pesquisas mostram que os partos domiciliares não são mais perigosos do que aqueles em hospital.

Nas últimas três décadas, houve um aumento da procura por partos em casa no Reino Unido. Lá, as mulheres recebem assistência de parteiras se optarem por dar à luz fora do hospital. Segundo o jornal britânico, na Austrália, as mulheres são desencorajadas a fazer partos domiciliares."

O que eu penso de verdade é que aqui no brasil deveria haver uma política de desencorajamento do alto número de cesarianas. E por que não: fazer histerectomia sem o conhecimento da paciente e da família é algo digno de punição severa.

Fonte: Estadão